Somos donos do nosso destino. Somos capitães da nossa alma.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Cozido à Madeirense

"...O vale do Curral das Freiras;
todo o despenhar violento das límpidas torrentes pelos cerros de basalto e verdura; explorar a vertigem dos abismos e atingir o êxtase ante o promontório agreste
e sombrio do cabo Girão, uma das falésias mais altas do Mundo..."





Ingredientes:Para 6 pessoas
  • 1 kg de carne de porco magra salgada ;
  • 4 batatas-doces ;
  • 4 batatas ;
  • 4 nabos ;
  • 4 cenouras ;
  • 1 couve coração-de-boi ;
  • 1 abóbora verde ) abóbora que não cresceu) ;
  • 200 g de cuscuz ;
  • 1 ramo de tomilho
Confecção:
Lava-se a carne e coze-se em água. Quando a carne estiver quase cozida, juntam-se-lhe todos os legumes inteiros e lavados. À couve devem retirar-se as folhas exteriores mais rijas. Junta-se ainda um ramo de tomilho.
À medida que os legumes cozem, vão-se retirando do caldo.
Molha-se o cuscuz com um pouco de água e coloca-se na parte funda do cuscuzeiro.
Logo que a carne e todos os legumes estiverem cozidos (estes já retirados da panela) coloca-se o cuscuzeiro sobre a panela para que o cuscuz seja cozido a vapor. Para evitar que o vapor se escape, coloca-se um pano na borda da panela entre esta e o cuscuzeiro.
Depois de tudo pronto, volta a introduzir-se no caldo (salvo o cuscuz), para que o cozido seja servido bem quente.
O cuscuzeiro é hoje substituído pela bola do arroz. Neste caso, a bola com o cuscuz é introduzida no caldo onde o cozido coze. Introduz-se nos últimos 10 minutos. O cuscuz, que outrora era preparado pelos próprios, vende-se agora nas mercearias pronto a utilizar.
Quando preparam em casa o cuscuz (granulado), para saberem se a água do cuscuzeiro não se evaporou toda e para evitar perder o vapor fazem a verificação deitando algumas pedrinhas ou conchas de lapas ou de berbigão no fundo do cuscuzeiro. Se sobre o lume, ao ferver, não telintarem, é sinal de que a água se esgotou, pelo que se torna necessário juntar mais.